fbpx

Saiba mais sobre a terapia de reposição hormonal usando os implantes subcutâneos de testosterona (pellets)

À medida que os homens envelhecem, seus níveis de testosterona se tornam cada vez mais baixos. Mas, os homens idosos não são os únicos que podem ter problemas hormonais; o hipogonadismo primário, disfunção da glândula pituitária e do hipotálamo, e até mesmo a obesidade podem ter um impacto profundo na produção de testosterona e afetar homens jovens e saudáveis. 

Independentemente da causa, a baixa testosterona pode produzir sintomas graves e disruptivos, como:

Sexual:

  • Redução da libido; 
  • Disfunção erétil; 
  • Redução de ereções espontâneas e noturnas;
  • Piora na qualidade do orgasmo;
  • Piora no desempenho sexual; 
  • Infertilidade.

Corporal:

  • Falta de energia;
  • Diminuição da força e massa muscular; 
  • Aumento da gordura corporal;
  • Perda de pelos; 
  • Ginecomastia; 
  • Redução no desempenho esportivo.

Emocional – cognitivo: 

  • Sonolência;  
  • Tristeza;
  • Irritabilidade; 
  • Aumento da gordura corporal;
  • Redução da concentração e memória;
  • Piora no desempenho profissional.

Se você tem apresentado esses sintomas associados ao achado de baixa testosterona no sangue, você pode potencialmente se beneficiar da terapia de reposição de testosterona. 

Sobre o uso dos pellets de testosterona

A terapia de reposição de testosterona pode ser feita em vários formatos, incluindo géis, cremes, injeções intramusculares e implantes subcutâneos de testosterona – os chamados Pellets. Embora todos esses formatos possam ser eficazes, eles não são perfeitos. 

À luz das possíveis vantagens e desvantagens de cada via de tratamento, um número crescente de homens está escolhendo a terapia com pellets para tratar de forma eficaz, confortável e segura seus níveis de testosterona.

O gel ou creme, embora a aplicação seja fácil e possa ser realizada em casa, devem ser usados com cuidado devido ao risco de transferência do produto para crianças e mulheres. A curta duração da ação significa que uma dose esquecida pode levar a flutuações hormonais, e prejudicar o tratamento. As aplicações devem ser feitas diariamente, de preferência no mesmo horário e seguir um “ritual” de aplicação.

As injeções de testosterona são administradas em farmácias. Versões de ação curta necessitam de injeção quinzenal ou mesmo em poucos dias para evitar quedas e picos, enquanto injeções de ação mais longa são administradas a cada 10 ou 12 semanas. No entanto, com as injeções os níveis de testosterona podem começar muito altos e depois ficar muito baixos, antes que a próxima injeção ocorra. Isso pode resultar em uma série de mudanças de humor, atividade sexual e níveis de energia semelhantes a uma montanha-russa. E muitos homens não gostam de agulhas!

A terapia com implantes subcutâneos de testosterona (pellets) fornece um tipo de reposição de testosterona em um sistema de entrega que se assemelha ao próprio mecanismo do corpo. Os pellets de testosterona são implantados na altura do quadril /nádega superior a cada 4-6 meses no consultório médico. À medida que os pellets se dissolvem, a testosterona é liberada em uma taxa constante, simulando a liberação natural de testosterona do corpo. É uma forma de terapia de reposição de testosterona de ação mais longa, e está ganhando popularidade, apesar de ser em método antigo, usado desde a década de 1930. 

Os pellets que uso atualmente são os absorvíveis, que não precisam ser removidos.

Em conclusão, o implante subcutâneo de testosterona (pellets) é um método seguro e eficaz de terapia hormonal para homens. Converse sempre com seu médico urologista e andrologista sobre a necessidade de reposição de testosterona e essa via de reposição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Leia também

Siga-me no Instagram

Dr. Homero Ribeiro

Urologista em Brasília

CRM-DF 15092 | RQE 13443

Disfunção erétil
Reposição hormonal
Ejaculação precoce
Doença de Peyronie
Prótese peniana

Menu